Terça-Feira, 15 de Junho de 2021
Amazônia agoniza a cada segundo que passa e a destruição é avassaladora
Amazônia agoniza: devastação, queimadas, exploração ilegal de madeira; grilagem, exploração de minérios e corrupção exterminando-a
04/06/2021 | 18:58
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

A Operação Handroanthus realizada recentemente pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF); levou o ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles à ser investigado diante abertura de inquérito; conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). As investigações da PF e do MPF atingiu além do ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles; vários servidores do IBAMA ( Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis ); além também do Ipaan ( Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas), e até um juiz por supostos envolvimento no esquema criminoso de extração e exportação de madeira ilegal retirada da região Amazônica. Fraudes, propinas milionárias; conluios; organização criminosa, subornos; documentos falsificados destinados à extração e exportações de madeiras ilegais de vários estados desde o Amazonas; Pará; Roraima; Amapá, Mato Grosso, Rondônia e do Acre. A Operação da PF e do MPF denominada Handroanthus assim como também a Operação Arquimedes; mostram como o crime praticado sistematicamente contra as florestas amazônicas vem sendo feito sob a negligência de governos mafiosos e corruptos que acabam proporcionando este efeito devastador ambiental na Amazônia.

 

Amazônia trilhando para um fim assombroso diante devastação

A contínua devastação das florestas na região Amazônica sem um rigoroso controle por parte governamentais ( estaduais e federal), resulta a cada dia que passa um avanço devastador com a retirada de toras de árvores derrubadas de forma criminosa; além da grilagem de terras e de invasões a terras indígenas, extração de minérios e que estas ações provocam efeito devastador na biodiversidade desta região amazônica. A recente operação fiscalizatórias e de apreensões por parte da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF), mostraram que as cargas de madeiras apreendidas tinham destinos para diversos países: Estados Unidos; Canadá; México; Costa Rica; Tailândia; Bélgica; Lituânia; Itália; França; Reino Unido; Espanha; Portugal; Haiti; Taiwan; Índia; Holanda; República Dominicana, dentre outros como França; Alemanha e Austrália.

 

Somente numa destas ações da PF e do MPF realizada recentemente houve apreensão de mais de 131,1 mil metros cúbicos de toras oriundas de árvores nobres da região Amazônica. Madeira esta retirada ilegalmente por várias madeireiras e que estão sob a investigação da PF e do MPF. 400 contâiners de diversas empresas suspeitas de irregularidades, desde 2017 foram autuados e apreendidos pela PF e MPF no Porto de Chibatão, em Manaus (AM), ao longo das operações Arquimesdes 1 e 2. Parte de muitas das madeiras apreendidas em operações da PF e do MPF na região Amazônica tem também destinos ao mercado interno e abastecem regiões Sudeste e Sul do país.

 

Nestas investigações da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF), constatação de que muitas das madeireiras envolvidas no esquema criminoso de retirada de madeira ilegal da região Amazônica; em áreas não autorizadas pelo chamado Sistema de Emissão de Documento de Origem Florestal ( Sisdof ); levava a vários funcionários públicos responsáveis pela emissão deste documento à alterá-los a fim de " esquentar " a madeira extra[ida ilegalmente da região Amazônica. Ou seja, criavam uma aparente situação lícita para facilitar às madeireiras envolvidas nestes crimes a praticaram a exploração da madeira. O que era ilícito, tornava-se assim lítico.

 

Segundo uma destas investigações da PF e do MPF 61 madeireiras foram investigadas sendo que 25 delas são suspeitas de cometerem irregularidades na documentação de Origem Florestal ( DOF). Novas aferições na região amazônica estão ainda em andamento e atingem desde regiões como do Aripuana ( Sul do Amazonas; Jamari, em Rondônia), dentre outras regiões da Amazônia. O combate à destruição da biodiversidade na região Amazônica continuará seno implacável contra os criminosos que exploram de forma irregular, criminosa a retirada de toras de madeiras nobres desta rica região brasileira. Os cenários das degradações ambientais em maior parte da região Amazônica tem sido algo assustador, avassalador e inaceitável, uma vez que prejudica diretamente toda a humanidade, toda a biodiversidade doa região e por consequência, prejudica o Planeta Terra.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2021 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar