Sábado, 17 de Novembro de 2018
A má gestão, a crise do milho e a vida dos brasileiros
Por Mário Lanznaster
03/06/2016 | 17:00
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Uma gestão eficiente ou, apenas, uma gestão racional, é pré-requisito para que tudo – na vida privada, na vida empresarial, na vida pública – funcione com razoável eficiência. Dizer isso parece uma verdade trivial, mas, indagam os contribuintes brasileiros, por que muitas estruturas estatais não agem guiadas por esse princípio básico?

 

Nos últimos meses, o noticiário econômico vem se ocupando de um tema ligado ao agronegócio – a crise no abastecimento do milho – que está afetando o conjunto da sociedade nacional. Os consumidores urbanos irão se indagar: o que eu tenho a ver com a situação do milho? Nada, mas vai pagar pela má gestão acima referida.

 

O milho é um insumo essencial para gigantescas cadeias produtivas do Brasil. Duas delas estão em Santa Catarina , que detém o mais avançado parque agroindustrial da avicultura e da suinocultura do País. Para alimentar um rebanho anual de 1,2 bilhões de aves e 12 milhões de suínos por ano, empregam-se milhões de toneladas de rações cuja base nutricional em 70% é o milho.

 

A produção brasileira de milho deveria situar-se neste ano em 84 milhões de toneladas (34 milhões na primeira safra e 50 milhões na segunda), todo ele necessário para alimentar a agroindústria de carnes e de lácteos. A última avaliação indica que deverá totalizar 78,9 milhões de toneladas, com recuo de 10,73% sobre a safra anterior, de 88,3 milhões de toneladas, segundo levantamento da Safras & Mercado.

 

Esse, entretanto, não é o maior problema. O governo permitiu que se realizasse uma imensa e desmedida exportação desse valioso grão que pode chegar a 38 milhões de toneladas embarcadas. A ironia é que esse insumo foi e está sendo exportado para concorrentes do Brasil que o transformarão em proteína animal na disputa do mercado internacional de carnes.

 

De um lado, estamos favorecendo os concorrentes e, de outro, prejudicando a indústria nacional que, com a escassez do milho, sofre um brutal aumento de custo. Chega a ser desconcertante assistir, nos portos brasileiros, o milho nacional sendo exportado, enquanto se desembarca milho da Argentina, numa operação kafkiana que poderia ter sido substituída pela racionalidade e pelos princípios da inteligência comercial agrícola, conceitos dominados e praticados por paises mais desenvolvidos. Nesse cenário, emerge e compreensão da completa inutilidade da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) cujo dever é o de regular os mercados para evitar esse tipo de tragédia.

 

O superencarecimento do milho resulta em milhões de reais de custos adicionais para as indústrias e a insolvência de praticamente todos os produtores rurais que não estão protegidos pelo sistema integrado de produção avícola e suinícola. Com a falta de milho a indústria passou a comprar trigo e farelo de soja, consumindo todos os estoques que havia no mercado doméstico.

 

Com a captura do trigo para formulação da nutrição animal, desviando-o do consumo humano, logo sentiremos o aumento do preço do pão e demais derivados desse cereal. A consequencia inevitável será o aumento da inflação, que empobrece e vergasta as faixas mais vulneráveis da população brasileira, além do desemprego na cidade e no campo com o fechamento dos pequenos frigoríficos, granjas e outros estabelecimentos rurais. A economia não perdoa a má gestão.

 

Legenda: (*) Mário Lanznaster - Presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos e vice-presidente para o agronegócio da FIESC

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2018 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar