Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
Operação Lava Jato e a Operação Mãos Limpas
Por Agnaldo Godoy
29/09/2017 | 15:48
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Semelhanças da atuação da máfia na Itália durante a Operação Mãos Limpas em que muitos líderes arrependidos contribuíram para desmascarar e derrubar chefões com suas conexões com o poder político e fora do meio político; são claramente demonstradas no Brasil através da Operação Lava Jato. 

 

Assim como na Itália onde nas décadas de 60 e 70; alguns dos procuradores da república, magistrados que na Itália cumprem a função de juízes de instrução dos processos criminais - acompanham estes processos desde o início em conjunto com a Polícia Federal; buscando provas para condenar mafiosos e desarticular organizações criminosas, porém, com resultados na Itália naquela época quase nulos; ao contrário no Brasil; com o advento da Operação Lava Jato, apesar também de forte resistência de mafiosos na tentativa de anular, prejudicar, atrapalhar estas investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal assim como da Procuradoria Geral da República; muitos mafiosos, quadrilhas estão sendo desarticuladas e indo parar na prisão - mesmo alguns em prisão domiciliar e utilizando tornozeleiras eletrônicas até que haja definitivamente a sentença final e, portanto, a prisão.

 

No Brasil ao longo de décadas foi construída uma realidade de forma prejudicial à grande maioria do povo deste país. Muitas organizações criminosas surgiram com solidificação centrada especialmente no meio político-administrativo federal, estaduais e municipais, resultantes em sua grande maioria de alianças espúrias partidárias acertadas nos bastidores pelos principais chefões da máfia. Agora, diante da Operação Lava Jato - além de outros imensos escândalos como do mensalão (Ação Penal - 470); a Zelotes, etc, cai de forma absoluta a máscara de muitas quadrilhas. Diversos procuradores da república e magistrados na Itália durante a Operação Mãos Limpas; enfrentaram assim como no Brasil ; a expansão e o acúmulo intenso de capitais financeiros subtraídos dos cofres públicos de forma ilícita, criminosa.

 

Os negócios aparentemente legítimos, como são mostrados e comprovados em delações premiadas no Brasil com a Lava Jato; envolvendo diversas empreiteiras; políticos como alguns governadores corruptos e mafiosos; vários deputados; ex-ministros e atuais ministros envolvidos em escândalos de denúncias por corrupção; alguns bancos como do BNDES ; Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal - CEF onde chegaram atuar criminosos e corruptos descobertos pela Polícia Federal ; doleiros e operadores financeiros; além de outras organizações ramificadas e instaladas dentro do governo federal, governos estaduais e até municipais que em conluio assim como muitos agentes dentro de Tribunais de Contas dos Estados e até no próprio Judiciário brasileiro promoveram verdadeiros rombos aos cofres público brasileiro.

 

Tem ainda a atuação do tráfico até de drogas, a comercialização de Medidas Provisórias do Governo Federal para beneficiar financeiramente algumas das grandes empresas do país em detrimento ao pagamento de propinas milionárias e outras benesses como entrega de apartamentos, etc. No caso da Operação Mãos Limpas na Itália, o confronto maior se deu diante da guerra entre chefões da máfia como exemplo entre Michele Cavataio ( da Itália) e La Barbera ( de Nova Iorque ) e que mergulhou Palermo num banho de sangue onde muitas famílias envolvidas com a máfia - Cosa Nostra. A criação da Comissão Anti-Máfia, no final da caçada, havia prendido 114 mafiosos em que 20 deles atuavam em posições importantes dentro da organização criminosa.

 

No Brasil, a Operação Lava Jato vem demonstrando também como funciona as organizações criminosas e com maior amplitude, pois além dos volumes financeiros bilionários roubados do cofres públicos; mostra também o quanto é amplo o leque de corruptos envolvidos em vários segmentos organizados da sociedade brasileira - a maioria dos mafiosos atuam dentro do sistema político e partidário além de administrativo nacional. E, se pode perceber no Brasil também a exemplo de como atuava a Máfia na Itália onde havia reorganização de famílias com membros integrantes da máfia mesmo após iniciado o combate da Justiça contra a máfia. Ainda é cedo para uma análise mais profunda desta tentativa de reorganização mafiosa e corrupta no Brasil, mas se pode perceber movimentações dentro do sistema político instalado em que há fortes e evidentes resistências quanto às reformas políticas, jurídicas e também econômicas.

 

O desemprego é elevado, a inflação elevada e a corrupção continua sendo revelada a cada dia diante das sucessivas investigações por parte da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Exemplos destas resistências políticas estão bem claras como demonstra dentro do Congresso Nacional e da Câmara Federal quando se buscam evitar cassar mandatos de corruptos e de mafiosos. Até dentro do próprio Supremo Tribunal Federal e do Supremo Tribunal de Justiça, há vestígios desta investidura mafiosa na busca de pelo menos complicar o meio de campo deste jogo bem articulado da máfia no Brasil. Agora, no Brasil, diante das delações premiadas; mostra-se claramente que ninguém, nenhum dos corruptos e mafiosos já presos querem permanecer por anos dentro das grades. Sabem que a única alternativa de minimizar esta dura realidade de permanecer preso é pelo menos delatar - mesmo que omitindo muitas das práticas e dos comprometimentos realizados pelas organizações criminosas. Buscam assim reduzir a pena diante da condenação judicial.

 

Mas, para quem tentou burlar, prejudicar o trabalho investigatório da Polícia Federal até agora, viu que em parte se deu mal. Ou seja, se ainda ficou algo oculto e não revelado, mas que foi descoberto pelas investigações que estão em andamento e diante da envergadura e monstruosa prática criminosa de organizações que subtraíram bilhões e mais bilhões dos cofres públicos, se vêem diante de uma sinuca enorme. Terão que conviver por longos anos com este grave dilema de passar por corrupto e mafioso. Uma biografia que não eleva ninguém, pelo contrário. As diversas conexões da máfia no Brasil; começam diluir-se como demonstram muitas das delações em que muitos dos líderes divergem entre si e estão acabando de virar ferrenhos inimigos.

 

Bastaria perguntar para alguns dos delatores e para alguns dos delatados. Aliás: nem precisa perguntar-lhes. As respostas são bem claras e a mídia nacional e internacional apontam à cada dia. E uma coisa é certa: há ainda muitos mafiosos que terão sem dúvida que parar na prisão para que o Brasil, o povo brasileiro possa de fato contar com um país onde a Justiça impera e os direitos e deveres de cidadãos sejam plenamente respeitados e cumpridos. Aos mafiosos e corruptos que hoje comemoram por ainda não estarem atrás das grades; que aproveitem bem esta fase de liberdade, pois haverão um dia de estarem atrás das grades esperando a chegada de pelo menos uma visita, sem o degustar dos bons e caros vinhos, além de caviar e sem tocar nas malas, cuecas, meias e ou extratos bancários mesmo de contas em paraísos fiscais para análise do volume de dinheiro roubado do povo brasileiro.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2017 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar