Terça-Feira, 30 de Novembro de 2021
É Urgente pôr fim ao Foro Privilegiado e manter a Lei da Improbidade Administrativa
08/10/2021 | 1:46
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Que a máfia adora ser protegida, isto não tem dúvidas ainda mais quando se trata no Brasil onde legislação criada por muitos mafiosos e corruptos resultam em proporcionar tão somente proteção aos atos criminosos que vão desde desvio de dinheiro público; lavagem de dinheiro onde centenas de bilhões acabam indo parar em paraísos fiscais - e isto já está mais do que comprovado por inúmeras das investigações não somente no Brasil, porém, em vários outros países do mundo como desde Argentina; Equador; Peru; Venezuela; Angola; Portugal; Rússia; Panamá; dentre vários outros países.

 

Por isto do não interesse no Brasil em se acabar com o tal oro Privilegiado. E o mais vergonhoso também é ver com que a lei da Improbidade Administrativa está sendo mudada por vontade de vários parlamentares do Congresso Nacional a fim de relaxar medidas como a de que o investigado por crimes como corrupção, desvios de dinheiro público, lavagem de dinheiro sejam minimizados sem punição pela Justiça por não ter a intenção de praticar tais atos criminosos. Convenhamos: desviar o dinheiro público, cometer atos administrativos públicos ilegais e não ter uma punição por parte da Justiça é algo estarrecedor neste país chamado: Brasil ! Pôr fim ao Foro Privilegiado e manter mais rigorosa a Lei da Improbidade Administrativa e não ao contrário como almejam muitos parlamentares que atuam no Congresso Nacional.

 

O povo brasileiro em sua grande maioria clama por mais justiça social e mais ainda: clama por uma Justiça que coloque bandidos, mafiosos e corruptos na prisão assim como àqueles bandidos que cometem atos tais como latrocínios, assaltos, sequestros, estupros. Mais ainda, que as prisões sejam por mais tempo do que ao que atualmente a Lei Penal determina no Brasil. países como os Estados Unidos e Japão considerado os países mais desenvolvidos do mundo assim como a China; por exemplo; possuem pena capital ( pena de morte ), assim como prisão perpétua e são considerados países de Primeiro Muno, desenvolvidos e que atraem as atenções de milhares de pessoas de vários países que vão em busca de melhores condições de vida nestes países onde existem rigor contra quem pratica delitos graves. Entretanto, no Brasil, que se diz haver uma tal democracia; o que se vê no dia a dia em todo o país é algo assustador diante o elevado índice de criminalidade. Muitas vidas sendo perdidas por ações criminosas em que bandidos praticam assaltos a mão armada, sequestros dentre outros delitos e que há décadas o Brasil vem sofrendo essa praga da violência urbana, principalmente nas grandes cidades brasileiras.

 

E o que se nota é uma quietude estranha por parte política nacional onde a classe política brasileira assim como do próprio Judiciário brasileiro parecem inertes, sem uma propagada movimentação pró- melhoria da realidade brasileira que encontra-se num caos verdadeiro social e econômico. Crise esta que demonstra atender aos interesses escusos de muitos setores que deveriam movimentar-se para aprimorar avanços nas soluções dos graves problemas existentes há décadas no Brasil. Portanto, a sociedade brasileira, ou seja, o povo brasileiro deve ampliar seu desejo por mudanças na legislação brasileira capaz de transformar este país. As eleições de 2022 estão aproximando-se é já é hora do povo brasileiro começar a estudara com mais amplitude sobre o papel que deve exercer os novos políticos que estarão disputando cargos eletivos. Até porque muitas das velhas raposas não querem deixar o que mais lhes apetecem: os cofres públicos deste país !

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2021 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar