Quinta-feira, 05 de Dezembro de 2019
Presidente do STF suspende investigação contra senador Flávio Bolsonaro (PSL), com dados do Coaf e Receita . Seria efeito do pacto ?
Pacto surgindo primeiros efeitos. Um deles a perseguição contra Moro e Deltan. Agora, STF suspende investigação contra senador Flávio Bolsonaro (PSL)
17/07/2019 | 0:45
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Pacto recente entre o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli juntamente com o presidente da Câmara Federal - o deputado e corrupto Rodrigo Maia (DEM-RJ), além do presidente do Senado Federal Davi Alcolumbre (DEM-AP); igualmente corrupto e mafioso, teve um novo capítulo na terça-feira (16), com a decisão de Dias Toffoli (STF); ao suspender as investigações contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL), com dados do COAF e da Receita Federal no processo em que investigados tiveram dados bancários de órgãos de controle sem autorização da Justiça.

 

Beneficiados pela imunidade parlamentar tanto Rodrigo Maia (DEM/RJ), quanto o senador e presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM/AP); assim como agora o senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), escapam ambos temporariamente especialmente de julgamentos em processos que tramitam na Justiça Federal. No processo judicial do MPF do Rio de Janeiro; o senador Flávio Bolsonaro (PSL), assim como outras 85 pessoas investigadas no escândalo do caso " Fabrício Queiroz" - ex- assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro (PSL), quando então deputado estadual do Rio de Janeiro, em que supostos repasses mensais de parte dos salários de servidores e comissionados de gabinete de Flávio Bolsonaro (PSL), eram repassados ao então deputado na época Flávio Bolsonaro (PSL).

 

O grupo de 85 pessoas respondem a processos na Justiça Federal do MP do Rio de Janeiro por crimes de lavagem de dinheiro; formação de organização criminosa e peculato. O ideal para que haja plena transparência neste caso seria de que houvesse a autorização por parte da Justiça no pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal de todos os suspeitos envolvidos neste escândalo e desta forma não levar uma decisão antecipada por parte do STF que deveria sugerir sim ao MPF do Rio de Janeiro requerer esta quebra de sigilos a fim de colocar um final nesta questão se houve ou não de fato todos os crimes a que estão supostamente envolvidos dezenas de pessoas e ligadas ao senador Flávio Bolsonaro (PSL), naquele período em que atuou como deputado estadual do Rio de janeiro. O fim da imunidade parlamentar deve entrar na reforma política que todo o cidadão de bem do Brasil almeja e que deverá levar muitos políticos assim que aprovado esta nova reforma; parar na prisão.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2019 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar