Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020
TRF-1 tranca investigação contra o ministro Guedes na Operação Greenfield - que perdeu coordenador diante pressão da PGR
TRF-1 tranca investigação contra o ministro Guedes na Greenfield - que perdeu coordenador diante pressão da PGR
07/10/2020 | 18:20
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Uma verdadeira e propositada tranqueira em investigações contra supostos mafiosos e corruptos que atuam no Brasil e desta vez foi a Terceira Turma do Tribunal Regional Federal (TRF-1), em decidir por unanimidade decisória de três membros deste tribunal durante a terça-feira (06), trancar a investigação contra o agora ministro da Economia Paulo Guedes - investigado até então na Operação Greenfield. Paulo Guedes era um dos 40 investigados na Operação Greenfield, cuja operação da Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF), foi deflagrada em 04 de setembro de 2016 para investigar fraudes bilionárias devido gestões fraudulentas nas chamadas FIPs ( Fundos de Investimentos e Participações ), cujas fraudes causaram prejuízos aos cofres públicos na ordem de R$ 8 bilhões, segundo as investigações da PF e do MPF. Paulo Guedes através de uma de suas empresas ligadas à gestão de fundos de Pensões; era suspeito na Greenfield de haver obtido de forma ilícita cerca de R$ 1 bilhão de reais, segundo pontou investigações da Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF).

 

Oito grandes fundos de pensões foram investigados pela PF e pelo MPF sendo que também foram investigados o Funcef ( Fundos de previdência dos Funcionários da Caixa-CEF); Previ (Banco do Brasil); Postalis ( Correios) e Petros ( Petrobras ). Em agosto passado o Desembargador do TRF-1 Ney Bello concedeu uma liminar suspendendo o inquérito contra Paulo Guedes e que na terça-feira (06), deste mês de outubro, foi acompanhado pelas colegas Maria do Carmo Cardoso e Mônica Sifuentes. Outros investigados na Operação Greenfield continuam enfrentando o processo junto a Justiça Federal. No início desta semana o coordenador da Operação Greenfield, , procurador Federal Anselmo Lopes deixou esta coordenação diante da decisão da Procuradoria-Geral da república (PGR) em reduzir a equipe dedicada à Operação Greenfield. É a terceira mudança na equipe nesta operação investigatória contra dezenas de grandes empresas, bancos e estatais envolvidas em fraudes como apontou as investigações realizadas pela Polícia federal (PF) e pelo Ministério Público Federal (MPF), através da Operação Greenfield.

 

Estaria havendo no Brasil articulação entre poderes para brecar investigações contra corruptos e mafiosos

Coincidência ou não, estão ocorrendo muitas suspensões, travamentos de investigações e até centenas de concessões de habeas corpus. Somente nestes últimos anos no Brasil; registros que mais parecem uma avalanche destas decisões. Processos ficam trancados, engavetados na esfera das Supremas Cortes (STF e STJ); contra principalmente muitos mafiosos e corruptos investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal.. São diversos agentes públicos e políticos; empresários , operadores financeiros para fins de lavagem de dinheiro e de desvios de ativos fiscais e que provocaram rombos bilionários aos cofres públicos deste país.

 

Estranhamente a Procuradoria-Geral da república (PGR), atormenta a força-tarefa da lava jato em Curitiba (PR), quando buscou recentemente acompanhar as investigações desta operação - a maior do gênero no mundo diante a dimensão dos desvios bilionários dos cofres públicos do país. E mais ainda: prejudicar o trabalho de equipes como da Operação Greenfield , quando evita fortalecer as equipes proporcionando-lhes mais condições de atuarem neste trabalho de combate a corrupção no Brasil. E na semana passada um encontro sem anúncio em agenda oficial entre o presidente da República Jair Bolsonaro com o ministro e presidente do STF Dias Toffoli ; juntamente com a presenças do senador Davi Alcolumbre ( DEM-AP) e que é o presidente do Senado Federal, além também da presença do Desembargador que irá assumir o STF Kássio Nunes Marques, na vaga que será deixada daqui alguns dias pelo ministro Celso de Melo, o qual ingressa sua aposentadoria.

 

Ausência de preocupação com o combate a corrupção no Brasil, especialmente no que tange à decisão final por parte das Supremas Cortes junto aos processos investigatórios contra organizações criminosas e mafiosos é o que mais intriga a sociedade brasileira que exige mais transparência e ações ao combate a corrupção e também culminar com finalizações destes processos e aos culpados efetiva uma sentença de acordo com o que prevê a legislação deste país.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2020 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar