Quarta-Feira, 20 de Junho de 2018
Janot questiona Raquel Dodge (PGR): Vai ser sempre assim ? São seis meses sem delações na Lava Jato
Ex-Procurador Geral da República Rodrigo Janot estranha espécie de paralisia na PGR. São seis meses sem delações e o lamaçal continua
12/03/2018 | 19:19
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Que há pressão da máfia envolvida em corrupção; lavagem de dinheiro; conluio; pagamentos e recebimentos de propinas milionárias; fraudes licitatórias; formação de quadrilhas; uso de Caixa 2 em campanhas políticas; dentre outros atos igualmente ilícitos; sobre instituições como desde o Supremo Tribunal Federal (STF); Supremo Tribunal de Justiça (STJ); Procuradoria Geral da República (PGR); Ministério Público Federal (MPF), e até mesmo como ficou demonstrado com recente evento do ex-diretor da Polícia Federal e que logo foi demitido ao opinar sobre investigações e processos contra mafiosos, especialmente contra o presidente da República Michel Temer (MDB), isto não há dúvidas nenhuma.

 

Basta ver que existe uma espécie de freio de mão puxado dentro destes órgãos máximos da Justiça brasileira que já deveriam ter manifestado decisões de suam importância sobre processos em andamento contra vários corruptos; mafiosos e quadrilheiros que de forma criminosa arrancaram bilhões dos cofres públicos deste país.

 

Entretanto, apesar de esforços amplos já construídos ao longo de alguns anos de trabalhos dentro das esfera da Justiça Federal e da Polícia Federal, há de se compreender que infelizmente diante da amplitude do envolvimento de figuras altamente tidas como éticas que atuam no meio político e até jurídico e empresarial deste país; há uma clara e típica ação propositada de haver uma espécie de agir com o freio de mão puxado pelo STF; STJ e até pela PGR.

 

Diante disto o ex- Procurador Geral da República Rodrigo Janot questionou nesta semana a atual procuradora Geral da República Raquel Dodge dizendo: "Vai ser sempre assim ?", referindo-se aos seis meses já passados e que não houve sequer até hoje neste período nenhuma delação premiada à Justiça. Já que a amplitude na Operação da Lava Jato é altamente ampliadíssima com centenas de corruptos e mafiosos denunciados e outras centenas que já mereciam estar atrás das grades e que continuam livres da Justiça e colocando o país em risco de sofre mais rombos bilionários nos cofres públicos.

 

É por este tipo de freio de mão puxado que inúmeros processos que tramitam na Justiça contra mafiosos e corruptos é que prescrevem e favorecem diretamente os ladrões do dinheiro público deste país. E exemplo disto não faltam. Basta ver que tem até senador da república beneficiado pela prescrição.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2018 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar