Quinta-feira, 05 de Dezembro de 2019
Lava Jato : Operação da PF " Rock City " na véspera do " Dia da Cerveja ", leva dono de cervejaria à prisão. Mafioso lavou R$ 329 milhões da Odebrecht
Cervejaria lava R$ 329 milhões da Odebrecht e dono vai à prisão preventiva. " Rock City ", em plena véspera do " Dia da Cerveja ". É a 62a. fase da Lava Jato
01/08/2019 | 11:04
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

E a máfia no Brasil continua enfrentando prisões por parte da determinação da Justiça Federal. a 62a. fase da lava Jato deflagrou na quarta-feira (31), a operação " Rock City ", em plena véspera do "Dia da Cerveja, em que o dono da Cervejaria Petrópolis Walter faria, teve prisão preventiva decretada pela Justiça Federal. O dono do grupo cervejeiro é alvo de investigações por parte da PF e do MPF em que movimentou contas bancárias na Suíça para intermediar repasses milionários de mais de US$ 3 milhões de propinas relacionadas aos contratos bilionários de navios-sonda, segundo a Procuradoria da República.

 

O esquema criminoso atinge um total maior na faixa de RS 329 milhões e envolve desde atuação de várias offshores; trocas de dólares recebidos no exterior e de investimentos realizados pela sua empresa " atuando para gerar dinheiro em espécie entregues a agentes no Brasil e ainda propinas travestidas de doações eleitoral no interesse da Odebrecht ", segundo as investigações. Walter Faria, teria transferido no exterior valores ilícitos recebidos em suas contas para agentes públicos beneficiados pelo esquema criminoso de corrupção na Petrobras, segundo estas investigações da PF e do MPF.

 

As investigações apontaram que a Odebrecht realizou operações subfaturadas com o grupo liderado pelo empresário dono da Cervejaria Petrópolis walter Faria; tais como; ampliação de fábricas; compra e venda de ações da empresa Electra Power Geração de Energia S/A; aportes financeiros consideráveis para investimentos em pedreira e contratos de compra , venda e aluguel de equipamentos.

 

O esquema de quadrilha contava também com operadores de câmbio e dólar que no período de 2006 e 2007, creditaram US$ 3.433.103,00 milhões de dólares em favor das contas bancárias titularizadas pelas offshores Healiner LTD e Galpert Company S/A, cujo responsável era o controlador do grupo Petrópolis. Operadores Juiio Almeida Camargo e Jorge Antônio da Silva Luz, são alvos desta 62a. fase da Lava Jato. O mafioso e corrupto Walter faria, segundo a Procuradoria da República aderiu ao programa de regularização cambial, informando à Justiça possuir mais de R$ 1,3 bilhão depositados em contas de empresas offshores, ou seja, em paraísos fiscais.

 

Parte destas contas receberam valores das contas controladas pela Odebrecht e por operadores ligados ao caso dos navios-sonda. A investigação identificou com base em documentações encaminhadas da Suíça, 38 empresas offshores distintas com contas bancárias no EFG Bank Lugano controladas pelo mafioso Walter Faria. A Justiça na Suíça, está colaborando com autoridades brasileiras neste contexto de combater a corrupção, lavagem de dinheiro praticado e desviado do Brasil em que a Operação Lava jato vem promovendo este trabalho rigoroso.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2019 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar