Quinta-feira, 16 de Setembro de 2021
Delta avança e leva OMS dar alerta mundial. Na Argentina, estudo destaca elevada taxa de mortalidade pela Covid-19
14/07/2021 | 15:23
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) Thedros Adhanom Ghebreyesus, alertou na segunda-feira (12), a preocupação da OMS com relação à variante Delta que já atingiu presença em mais de 104 países do mundo e que está provocando elevada taxa de internamentos e elevando o número de óbitos pela doença. no Brasil, já existem vários casos já confirmados, sendo cinco deles no estado do Paraná, um caso suspeito em Santa Catarina, na região de Joinville e também no Rio de Janeiro; São Paulo e em alguns estados da região Nordeste e Norte do país. Na Argentina onde além do vírus original da Covid-19, tem outras variantes a exemplo do que vem ocorrendo em vários outros países da América Latina, incluindo no Brasil onde três casos e uma morte vem sendo investigada e relacionados c entre eles 20 nações latino-americanas.om a doença da variante Lambda ( C.37). No Peru, onde a cepa Lambda foi detectada pela primeira vez em dezembro passado, a doença representa 82% dos casos de Covid.

 

E na Argentina e no Chile, a cepa da Lambda vem em alta de contaminação. Foram recentemente 29 países rastreados, sendo 20 deles latino-americanos onde sete registraram a doença. Mas, é a variante Delta que mais vem sendo detectada em mais de 107 países do mundo e que leva tanto a OMS quanto governos adotarem medidas de reforços preventivos alertando a população em relação aos cuidados preventivos contra o vírus, assim como priorizando dar ênfase ao maior ritmo de vacinação da população. A Revista científica Lancet em recente estudos e pesquisas publicadas no dia 02 de julho, destacou na Argentina a elevada taxa de óbitos entre pacientes com Covid e que passaram por ventilação evasiva, atingindo índices de 56% de mortalidade pela doença. Prevenção máxima com uso de máscaras de proteção ao vírus da Covid; distanciamento social; uso de álcool em gel e acelerar o ritmo de imunização da população é fundamental para reduzir os riscos de contágios.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2021 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar