Domingo, 20 de Agosto de 2017
JBS deu em propina R$ 10 milhões ao governador Raimundo Colombo (PSD)
Dono da JBS afirmou ter entregue em propina R$ 10 milhões ao governador de Santa Catarina Raimundo Colombo (PSD)
19/05/2017 | 21:48
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

O empresário da JBS disse em delação premiada à Justiça Federal que fez repasse de R$ 10 milhões em forma de propina para a campanha da reeleição de Raimundo Colombo (PSD). A forma como foi entregue os R$ 10 milhões foi descrita em detalhes minuciosos após tratativas diretas sobre a forma da entrega dos recursos financeiros milionários. em propinas.

 

O tema consta do anexo de número 29 do depoimento de Wesley Batista, da JBS, em que destaca que o empresário Joesley Batista - irmão de Wesley Batista foi procurado pelo secretário de Estado da Fazenda Antônio Gavazzoni, onde apresentava proposta para que a JBS adquirisse a empresa Seara em Santa Catarina, a qual atravessa uma crise profunda e para tirar a Seara desta crise, a solução seria a JBS adquirir esta empresa e cuja solução o governador tinha muito interesse. " O Joesley acabou comprando a empresa e salvando a empresa", neste caso a Seara. Seguindo outra tratativa entrou o assunto da eleição em que o governador Raimundo Colombo (PSD), disputava a reeleição e que havia dificuldades financeiras para a campanha. " Estamos precisando de recursos ", disse Gavazzoni ao empresário da JBS, segundo declarações do próprio empresário em delação premiada para a Justiça Federal.

 

Caminho da Propina milionária ao governador de SC passou por um Supermercado em Florianópolis

Na sequência da delação do empresário da JBS, uma reunião foi marcada entre Joesley Batista e o secretário de Estado da Fazenda Gavazzoni, em São Paulo, (SP), em julho de 2013. portanto, uma ano antes das eleições de 2014. Segundo Wesley Batista, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo (PSD), estava presente. Um outro assunto entra na pauta do encontro que foi sobre o interesse da JBS em adquirir a empresa de Águas e Saneamento em Santa Catarina. Mas, a JBS queria facilidades quanto à licitação.

 

A JBS indicou para tratar sobre o repasse dos R$ 10 milhões para Raimundo Colombo (PSD), em forma de propina. Ou seja, dinheiro ilícito o Paulo Ricardo - conforme ocorre este nome na gravação e vídeo e que foi apresentado pela empresa JBS a fim de fazer a entrega da propina. Segundo a delação, R$ 8 milhões foram entregues de forma dissisimulada ao PSD nacional, porém, indo diretamente para Raimundo Colombo (PSD) , levados pelo secretário de Estado da Fazenda Gavazzoni e os outros R$ 2 milhões foram entregues dentro do supermercado Angeloni em Florianópolis (SC), para Antônio Gavazzoni que representava Raimundo Colombo (PSD) e que iria receber a propina acertava com a JBS - neste caso do recebimento complementar da propina que totalizava então os R$ 10 milhões. À imprensa, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo (PSD), negou com veemência em vídeo gravado o recebimento de dinheiro ilícito para a campanha em que disputara em 2014. Na delação do empresário da JBS aparecem ainda nomes de Gilberto kassab e Robson Farias, ambos do PSD, mas o tema do anexo 29 é relacionado unicamente ao caso da propina repassada para Raimundo Colombo (PSD).

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2017 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar