Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
Juiz expediu alvará de soltura do ex-presidente Lula (PT). Outros mafiosos também devem deixar a prisão após decisão do STF
Ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), sai da prisão após decisão favorável do STF. Outros mafiosos poderão ficar soltos
09/11/2019 | 10:24
Postado por: Destaque Catarina
A- A+
O Juiz Danilo Pereira Junior assinou no final da tarde de sexta-feira ( 08 ), o alvará de soltura do mafioso ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva (PT), o qual estava detido desde abril do ano passado numa das celas da sede da Polícia Federal em Curitiba (PR), no caso do processo de condenação da Justiça Federal relacionado ao tríplex no Guarujá (SP).
 
 
Outros corruptos e mafiosos como João Vaccari Neto;  Delúbio Soares de Castro, ambos tesoureiros do PT;  os ex- direitores da OAS José Adelmário Pinheiro ( Léo Pinheiro ); o ex-ministro  de governos petistas José Dirceu ( que teve condenação de 30 anos de prisão por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro além de organização criminosa); além do irmão dele  Eduardo de Oliveira e Silva ( com pena de 10 anos, 6 meses e 23 dias de prisão; o ex-deputado federal  Geddel Vieira Lima (PMDB) - aquele mafioso preso pela Polícia Federal e Ministério Público Federal com R$ 51 milhões em dinheiro vivo em várias malas num apartamento em Salvador (BA).
 
 
Mafiosos e corruptos saindo da prisão, mas com processo tramitando até decisão do STF
 
Assim como o mafiosos e corrupto Geddel Vieira Lima; o irmão dele ex-deputado Lúcio Vieira e de muitos outros mafiosos e corruptos condenados em Segunda Instância após investigações realizadas pela Polícia Federal (PF), e Ministério Público Federal (MPF), e condenados que agora diante da decisão por maioria de 6 a 5 votos de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), poderão deixar a prisão.
 
 
Ou seja, as centenas de milhões surtiram provavelmente um efeito avassalador até ao alcance deste benefício extraordinário que trata-se de liberdade para muitos corruptos; mafiosos e que além de crimes como lavagem de dinheiro; organização criminosa; corrupção passiva e corrupção ativa; acabam na medida que saem da prisão passando certamente a comemorar como se este momento fosse algo que os livrasse definitivamente de mais cedo ou mais tarde acabarem novamente retornando à prisão para cumprirem a pena em sua integridade.
 
 
Mais incrível nisto tudo é que por exemplo,  o ex-ministro José Dirceu teve negado um pedido de Habeas Corpus preventivo junto ao STF - o mesmo que agora mudou de lado não acatando prisão de condenados em Segunda Instância, mas que ano passado, em 2018, negou este Habeas Corpus Preventivo para José Dirceu (PT) e justamente negado pelo ministro atual presidente do STF Dias Toffoli que era relator do processo no STF. 
 
 
Dias Toffoli (STF),  que deu voto de minerva para evitar prisão após Segunda Instância.  Ou seja, antes negou e nesta semana  durante sessão e julgamento das ADCs, votou contra esta mesma prisão após Segunda Instância. E sobre o caso do mafioso Geddel Vieira Lima ( o ladrão dos R$ 51 milhões ), preso pela Polícia Federal em Salvador (BA); teve condenação por parte da Segunda Turma do STF em 22 de outubro deste ano de 2019, ou seja, há cerca de dois meses atrás e que gora, numa virada de mesa sensacional acabou sendo beneficiado pela soltura concedida nesta votação do Supremo Tribunal federal (STF). Geddel Vieira Lima e o irmão dele Lúcio Vieira Lima, ambos presos na Lava Jato; poderão juntos comemorar a soltura; Aliás, presos destas estirpes que desviaram de forma ilícita milhões dos cofres públicos provavelmente irão consumir como de costume antes de serem presos; vinhos e outras bebidas caríssimas como champagnes importadas das mais caras do mundo.
 
 
Enquanto isto, milhões de desempregados e outros milhões no subemprego com míseros salários; apenas assistem a este pós- espetáculo concedido pelo Supremo Tribunal Federal aos olhares simpáticos do Congresso Nacional - onde políticos que ali passaram e que fizeram uma Constituição em 1988 para auto protegerem-se e evitarem serem presos, diante especialmente da imunidade parlamentar. Ou seja, político ser preso no Brasil é algo inatingível da forma como a legislação elaborada por políticos está. Ou mudam-se as leis neste país ou a bancarrota está à beira do caminho.
 
Foto: Paraná Portal
Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2019 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar