Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021
Polícia investiga 11 médicos suspeitos de receber e não comparecer ao Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, de Joinville (SC)
Polícia investiga 11 médicos suspeitos de receber por serviços não prestados no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville (SC)
15/12/2020 | 13:22
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Operação Ponto Fraudado determinado pelo Ministério Público (MP-SC), fez com que equipes policiais da GAECO e da Polícia Civil, cumprisse desde a manhã de terça-feira (15), mandados de buscas e apreensões contra 11 médicos suspeitos de fraudar o cartão ponto não comparecendo ao local de trabalho, ou seja, no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville (SC).

 

Esta é mais uma de imensas operações de combate a corrupção neste país. Um Brasil já de maioria da população sofrida diante desta pandemia e diante também do desemprego elevado e de tantas outras dificuldades e que onde este país atolado numa crise social, econômica. ética e de falta de respeito aos recursos públicos e , por conseguinte da falta de respeito para com cidadãos honestos e que possuem caráter e comprometimento com o que deve e merece ser correto em todas as atitudes e áreas de serviços, principalmente público onde estes recursos são gerados de pagamentos de elevados tributos, impostos e taxas públicas. É preciso elevar cada dia mais o combate á máfia e aos corruptos que atuam neste país.

 

A população deve reagir de forma rigorosa contra agentes mafiosos e corruptos que desviam recursos públicos deste país e cobrar responsabilidades por parte do Judiciário quanto à rigorosa punição aos que cometem crimes que prejudicam a população brasileira. A Polícia não revelou o nome destes 11 médicos que iam ao Hans Dieter Schmitd apenas para bater o cartão ponto, mas em seguida deixavam o local.

 

E o caso dos R$ 33 milhões dos respiradores que governo Moisés pagou antecipado. Cadê o retorno desta grana, questiona-se

E a área da Saúde especialmente em Santa Catarina como a deste caso semelhante ao que ocorreu recentemente também no Hospital Universitário em Florianópolis (SC), conta ainda com o pagamento antecipado por parte do governo de Carlos Moisés relacionado aos 200 respiradores pulmonares que nunca chegaram ao Estado de Santa Catarina. Houve prisão de alguns suspeitos envolvidos no esquema criminoso, porém logo foram soltos e até agora nem os R$ 33 milhões retornaram aos cofres públicos em sua totalidade e tão pouco a Justiça concluiu os processos de apuração deste crime que pode ser considerado como um crime hediondo a exemplo de outras dezenas de bilhões desviados; roubados dos cofres públicos em várias regiões deste país e recursos que deveriam serem aplicados na área da saúde diante esta grave pandemia do novo coronavírus Covid-19. A Justiça precisa ser mais ágil e eficaz contra a corrupção e contra mafiosos e corruptos.

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2021 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar