Segunda-Feira, 08 de Março de 2021
Vacinas contra a Covid-19: Brasil dá ponta pé inicial, mas faltam insumos da China para dar continuidade urgente
18/01/2021 | 23:09
Postado por: Destaque Catarina
A- A+

Nem bem começou a primeira etapa de vacinação contra a Covid-19 ; o Brasil- país com segundo maior número de mortes pela doença; a China já demonstra a falta de insumos para produzir vacinas como as da Coronavac e da Sinopharm - empresas biofarmacêuticas e onde a Sinovac produz a Coronavac e que em parceria com o Instituto Butantan, firmaram acordos para que o Butantan receba insumos a fim de produzir as vacinas no Brasil. O estoque do princípio ativo da Coronavac só permitirá formulação e o envase até o fim de janeiro. A embaixada brasileira já foi acionada na segunda-feira (18).

 

O Ministério da Saúde deu início à distribuição de 6 milhões de doses da vacina Coronavac durante a manhã de segunda-feira (18). Poucas horas após, as vacinas já estavam chegando às capitais brasileiras sendo que a região Norte recebeu 708.440 doses; a região Nordeste 1.113.160 mil doses; a região Sudeste 2.524.00 de doses; a região Sul 751.440 mil doses e a região Centro-Oeste 574.160 mil doses da vacina Coronavac. A cidade de São Paulo recebeu 1.349.200 doses desta vacina. esta foi a primeira etapa do programa Nacional de Imunização contra a Covid-19 sendo realizada pelo governo federal através do Ministério da Saúde. Na medida que o Ministério da Saúde vai encaminhando as vacinas às capitais brasileiras, governos estaduais começam a distribuir aos municípios e assim sucessivamente dentro do perfil do Programa Nacional de Imunização contra a Covid-19.

 

A vacina da Coronavc é uma vacina inativada. isto é: que age usando partículas virais mortas para expor o sistema imunológico sem arriscar uma resposta de doença grave. Já, as vacinas Moderna e Pfizer, por exemplo; são vacinas de mRNA. Isto é: significa que parte do código genético do coronavírus Covid-19; é injetado no corpo fazendo com que o corpo humano comece a produzir proteínas virais, mas que não o vírus inteiro, o que é suficiente para treinar o sistema imunológico para atacar e combater a Covid-19. A Coronavac é um método mais tradicional ( de vacina ) que é usado com sucesso em muitas outras vacinas conhecidas como exemplo, a raiva. Segundo o professor associado ao Luo Dahai da Universidade Tecnológica de Nanyang à BBC. " As vacinas de mRNA são um novo tipo de vacina e não há ( atualmente ); nenhum exemplo bem sucedido ( delas ) sendo usado na população, destacou. A Coronavac, segundo dados apresentados à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), do brasil, possui eficácia aprovada de 50,38%. E foi aprovada em uso emergencial no Brasil no domingo (17), devido à gravidade com que avança a pandemia da Covid-19 no Brasil.

 

Um dos autores dos estudos desenvolvidos na China comrelação à vacina contra o novo coronavírus Covid-19; mesmo aprovadas pela fase dois do processo de ensaios, significa que a vacina é " adequada para uso de emergência ". No Brasil, o Instituto Butantan falta ainda encaminhar para ANVISA resultados e documentos relacionados ao período com que a vacina da Coronavac protege o organismo humano contra a Covid-19. Foi divulgado que a vacina da Coronavac possui eficácia de 50,38%; muito abaixo de outras vacinas como a da Pfizer e da Moderna ( mRNA 1273), por exemplo, as quais atingem eficácia 95,9% e a Pfizer 95% de eficácia.

 

No Brasil, não há ainda uma estimativa da chegada da Moderna, mas é algo que poderá ocorrer através do programa COVAX Facility - coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). É uma iniciativa que busca distribuir de forma global as eventuais vacinas contra a Covid-19 tanto entre os países ricos quanto países pobres e ou em desenvolvimento. Já o imunizante da Pfizer contra a Covid-19; deverá estar disponível para uso no Brasil até março ou abril de 2021, segundo o presidente da farmacêutica para o Brasil, Carlos Murillo. A empresa protocolou recentemente os resultados de testes da fase 3 de sua vacina na Anvisa ( Agência Nacional de Vigilância Sanitária ).

Comentários (0)
Seja o primeiro a comentar.
© 2010 - 2021 Jornal Destaque Catarina. Todos os direitos reservados
Encaminhe esta notícia
Seu nome
Seu e-mail
E-mail remetente
Comentário
Caracteres restantes

Enviar notícia
Reportar abuso
Seu nome
Seu e-mail
Seu telefone
Comentário
Caracteres restantes

Reportar abuso
Faça seu login!
Login
Senha
Permanecer conectado
Conectar