LULA (PT) DOBRA VOLUME AO FUNDÃO ELEITORAL PARA RS 5 BILHÕES

O Brasil que já está literalmente no fundo do poço diante uma dívida pública de mais de R$ 6 TRILHÕES DE REAIS, sofre mais um baque e desta vez o presidente Lula (PT), sancionou a lei que aprovou na segunda-feira (22), dobrar o volume dos recursos financeiros para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha , mais conhecido como sendo o Fundo Eleitoral - o chamado " Fundão " destinado para financiamento de campanhas eleitorais de candidatos políticos, de acordo com a lei 13.487, de 6 de outubro de 2017 e que Lula (PT, sancionou na segunda-feira (22), a liberação de R$ 5 BILHÕES para as eleições municipais deste ano de 2024. 


 E há ainda outro Fundo Eleitoral; Ou seja: o Fundo Partidário que paga, inclusive salários de presidentes de siglas partidárias, despesas de viagens, hospedagens em hotéis de diárias caríssimas, viagens internacionais; paga vários outros tipos de despesas como de aluguéis de sede partidárias, dentre outras despesas - TUDO COM DINHEIRO PÚBLICO, O TEU DINHEIRO CARO LEITOR ! Dinheiro arrecadados dos tributos, taxas públicas; impostos e que o governo federal lança com apoio do Congresso Nacional e da Câmada Federal que aprovaram tais leis liberado avalanche de recursos públicos para campanhas eleitorais. O Brasil que sofre há décadas com a corrupção avassaladora e graves problemas sociais, econômicos e ambientais; devido a roubalheira dos recursos financeiros dos cofres públicos em praticamente em todo o país; ainda tem que contar com mais essa avalanche de perdas de recursos públicos para realização de campanhas eleitorais em 2024.

Enquanto isto, a leniência por parte do STF e do STJ prossegue; que sequer mantêm presos mafiosos, quadrilhas de corruptos investigados por inúmeras das investigações através das operações lançadas pelo Ministério Público Federal, (MPF), Polícia Federal (PF), além de equipes das GAECOS; DEICs e DICs em todo o Brasil. Operações estas visando o combate ao crime organizado e combate a corrupção no Brasil. Mas, infelizmente; estas operações de combate a corrupção no Brasil, resultam na falta de manter na prisão a maioria de integrantes de quadrilhas, mafiosos, corruptos que desviam dinheiro público no Brasil e cometem também outros ilícitos, como desde lavagem de dinheiro, fraudes e superfaturamentos em obras, serviços públicos e consultorias públicas. Maioria das quadrilhas descobertas nestas investigações são formadas por muitos políticos corruptos, mafiosos que desde décadas ocupam cargos eletivos ou que ainda atuam em funções chaves dentro de administrações públicas de vários níveis :( Executivos, Legislativos e até mesmo dentro do Judiciário ), como já demonstradas nestas imensas investigações pelo país afora.

GOVERNO FEDERAL JORRA DINHEIRO EM ELEIÇÕES E ROUBALHEIRA SÓ AUMENTA NO PAÍS

Por outro lado; diante desta avalanche de dinheiro público que o Governo Federal libera para o Fundo Eleitoral e a grande maioria do povo brasileiro vivencia hospitais públicos superlotados em quase todo o Brasil. Exemplo disto, é em Florianópolis (SC), onde o Hospital Regional São José, na região metropolitana de Florianópolis - a " Ilha da Magia ", encontra-se com dezenas de pacientes em corredores desta unidade hospitalar, além de outras dezenas na fila externa à espera de atendimento. O Estado de Santa Catarina, onde somente uma mega operação de combate a corrupção e ao crime organizado - a " Operação Mensageiro ", em sua quarta fase desde dezembro de 2022 já levou 16 prefeitos e um vice além de várias outras pessoas à prisão por um determinado período em 2023, mas que a Justiça deverá recolocá-los novamente na prisão na medida com que os processos que tramitam na esfera jurídica catarinense avancem.

As investigações da Operação Mensageiro prosseguem em Santa Catarina e deverá atingir cerca de 140 municípios catarinense. Essa investigação apura crimes no setor de coleta de lixo sólido urbanio, setor de energia elétrica e de saneamento básico. E para mostrar a gama de atuação ilícita em Santa Catarina, surgiu nesta semana a Operação " Presságio ", também no setor do lixo e que investiga ainda a participação de uma ONG- Organização Não-Governamental e de um Instituto Social, cuja operação " Presságio ", investiga um vereador e ainda dois ex-secretários municipais , além da esposa de um destes ex-secretários da Prefeitura de Florianópolis (SC), e mais dois ex- servidores comissionados, além também de dois empresários ( pai e filho ) donos de uma empresa com sede em Vila Velha (RO).